quinta-feira, 21 de junho de 2018

Inclusão, Escola, Biblioteca: Mediação Leitora, Educação artística e Necessidades Educativas Especiais


Está a decorrer mais uma edição do curso “Inclusão, Escola, Biblioteca: Mediação Leitora, Educação artística e Necessidades Educativas Especiais” promovido pelo Centro de Formação de Escolas António Sérgio, sendo eu e a Maria José Vitorino os formadores de serviço, com um convidado especial: Simão Costa. Ao longo deste curso, pretendemos que os docentes adquiram ferramentas diversificadas e conhecimento mais atualizado que permitam uma melhor intervenção junto dos públicos especiais. Abordaremos diferentes metodologias de intervenção, refletindo sobre os vários caminhos que se apresentam ao professor/mediador. Esta formação será um espaço de partilha dos saberes que se vão adquirindo pelas práticas e pelo trabalho com estas populações específicas. Dado o interesse que esta formação tem suscitado, estamos a ponderar a hipótese de fazer uma segunda edição, em breve.
Centro de Formação de Escolas António Sérgio: http://cfeantoniosergio.ccems.pt/

domingo, 10 de junho de 2018

Trabalhando no interior de uma igreja dessacralizada 
Museu Carlos Machado - Ponta Delgada

Decorreu de 28 a 30 de abril, no Museu Carlos Machado em Ponta Delgada o curso “Museus e públicos com necessidades educativas especiais”. Uma formação aberta, também, a técnicos de Bibliotecas. Curso teórico/prático que pretendeu dar uma visão atualizada do trabalho que vem sendo feito de criação de acessibilidades e promoção da inclusão em estruturas culturais do nosso país, com especial incidência na acessibilidade aos conteúdos e aos desafios reais da inclusão. Ao longo de três dias partilhei algumas ferramentas e metodologias que costumo aplicar na minha prática. Como a maior preocupação é pensar e construir respostas locais, tive de me adaptar à distinta realidade Açoriana, com diferenças de escala significativas entre ilhas e polivalência de funções -Um desafio. Foi bom trabalhar com um grupo exigente e heterogenio – através dele fiquei a conhecer melhor a realidade da Região Autónoma e as características das diferentes coleções e vocação dos espaços culturais. Apesar do ritmo acelerado, consegui conviver com esta mão cheia de gente singular e empenhada. Acabámos por criar um espaço na Internet, restrito ao universo dos participantes deste curso e extensível à turma que se formará em setembro, para partilha de conteúdos. No mês de setembro, teremos a segunda turma desta formação, respondendo à extensa lista de espera que se formou. Uma palavra de apreço pelo profissionalismo e hospitalidade da Secretaria Regional da Educação e Cultura, na pessoa da Dr.ª Rosa Lima que acompanhou todo este processo. 

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Curso Laredo: Inclusão, Escola, Biblioteca: Mediação Leitora, Educação Artística e Necessidades Educativas Especiais

Utilizando um sistema de comunicação de luzes coloridas

Depois do Curso “mediação leitora em bibliotecas e doença mental” (2016 – Instituto Nacional para a Reabilitação) e da primeira edição de “Inclusão, Escola, Bibliotecas: Mediação Leitora, Educação Artística e Necessidades Educativas Especiais” (2016 – Centro de Formação António Sérgio) chega agora o 2º curso que terá lugar em Lisboa na Escola Secundária António Damásio que decorrerá a 5/11, 12/11 (online), 19/11, 26/11 (online) e 17/12. Registo de acreditação: CCPFC/ACC-85617/16. Formadores: Miguel Horta, Maria José Vitorino e Simão Costa. Esta ação tem como objetivo a apropriar ferramentas pedagógicas diversificadas para conhecimento mais atualizado e melhor intervenção junto dos alunos, em particular dos que necessitam de apoios educativos e sociais especializados, vulgo com NEE. Abordar diferentes metodologias de intervenção, refletindo sobre os vários caminhos que se apresentam ao professor, educador, técnico ou mediador cultural. Partilhar saberes que se vão adquirindo pelas práticas e pelo trabalho com estes alunos. Elaborar propostas de trabalho a desenvolver em contextos educativos formais. Contribuir para a afirmação de uma Escola mais inclusiva. Um curso com forte componente prática. http://www.cfantoniosergio.edu.pt/.Cfantoniosergio@esddinis.pt . 218310197

http://miguel-horta.blogspot.pt/2016/09/curso-laredo-inclusao-escola-biblioteca.html

sábado, 11 de junho de 2016

Trabalhando em frente ao espelho com meninos especiais....


Em frente ao espelho, registando o corpo numa película transparente mas não incoloolor
O facto do acetato ser colorido faz com que o material seja percepcionado pela criança
 retirando qualquer receio sobre aquela matéria que lhe cobre o corpo
 - afinal consegue ver através dela, tendo controlo sobre a situação. 
Quase a terminar o nosso ciclo de oficinas (deste ano lectivo) do Centro de Arte Moderna (FCG/Descobrir) dedicadas ás necessidades educativas especiais, tempo ainda, para vos falar da última oficina “Espelho meu” orientada por mim, pela Margarida Vieira e Margarida Rodrigues. Como o nome indica, trabalhámos o reconhecimento corporal, propondo atividades que contribuem para essa consciencialização do corpo, através da dança, psicomotricidade e registo gráfico em frente ao espelho. Os nossos pontos de partida na coleção do CAM foram “Espelho C” de Waltercio Caldas (uma escultura de tubulação em aço mas sem espelhos) e “sem título” de José Pedro Croft (uma escultura, estrutura, com espelhos). Sabemos que é exigente esta escolha pois obriga os visitantes a um profundo mergulho nas suas perceções seguido de uma explicação oral do apreendido (como é sabido, eu afirmo sempre que não entendo nada de arte contemporânea e preciso muito da opinião dos participantes...). No plano do autismo não é de se esperar grande comunicação face às peças apresentadas (de vez em quando temos grandes surpresas… nunca se desvalorize o que estas pequenas pessoas apreendem do desafio que lhes é lançado...), mas as esculturas expostas servem de mote para o trabalho corporal desenvolvido em ateliê. Ficam de tal forma envolvidas nas estratégias lúdicas que propomos que chegam a "aguentar" mais de uma hora em atividade oficinal. Aqui vos deixo algumas imagens com um agradecimento especial à Professora Alexandra Gonçalves que nos tem ensinado a trabalhar com meninos e meninas do espectro autista.
Fonte: http://miguel-horta.blogspot.pt/2016/06/o-corpo-refletido.html

sábado, 23 de janeiro de 2016

Torres Vedras: "Um Sentir Especial"


Terá lugar na Biblioteca Municipal de Torres Vedras no próximo dia 30 de janeiro, pelas 15.30h, mais uma sessão das “Conversas improváveis & criativas” (Programa “Um sentir especial") que juntará famílias especiais num momento de convívio com contos, poemas e livros. A sessão será conduzida por Miguel Horta (mediador cultural) A entrada é livre, mediante inscrição. A não perder! Mais informação aqui.

Espelho meu...


Só agora em 2016 regressei às oficinas do programa descobrir/CAM dedicadas aos públicos com necessidades educativas especiais. A oficina espelho meu está muito bonita, propondo um percurso coerente entre a exposição e o trabalho de ateliê, essencialmente focado no corpo. As esculturas escolhidas, uma de Waltercio Caldas e outra de José Pedro Croft, conduzem-nos a um confronto invisível com o corpo e ao entendimento do espaço desenhado pelas formas instaladas. De uma forma lúdica e interativa, os participantes questionam-se, movem-se e respondem aos estímulos propostos pelos artistas, abrindo a porta para a sequência seguinte de trabalho em torno do corpo que se desenvolve no espaço oficinal. Assim, são surpreendidos com uma espécie de instalação de planos, formas e luz que servem de base a movimentos (interligando o corpo com o dispositivo) e à dança em frente ao espelho, onde para além da proposta coreográfica simples (promovendo a atenção e a resposta motora) é dado um ênfase especial à lateralidade proposta pelas imagens invertidas no espelho. Margarida Vieira/Miguel Horta/Margarida Rodrigues. Reservar